Notas de Imprensa

Maio 24, 2015

1º NOTA DE IMPRENSA Assembleia Geral de Filiados – Lisboa 2015

Pelas 9:00h teve lugar a abertura de portas com credenciação de filiados, participantes, convidados e comunicação social. A ordem de trabalhos sofreu um pequeno atraso justificado pela grande afluência de participantes que superou largamente as expectativas. Pouco depois das 10:30h teve lugar um pequeno apontamento musical composto pela atuação de um duo feminino com violino e acordeão. A primeira intervenção foi a de Marinho e Pinto salientando o papel de todos os cidadãos, independentemente do sexo e idade, na participação da vida política. Sublinhou a vontade de trabalhar e o grande combate que o partido irá enfrentar já este ano para retirar Portugal do abismo. Seguiu-se a intervenção de Francois Bayrou acompanhado de uma comitiva do Partido Democrático Europeu. Começou por agradecer o convite e demostrou-se honrado por estar a representar o Partido Democrático Europeu e o movimento democrático francês. Exaltou o momento especial que é o nascimento de um novo partido apenas comparável ao nascimento de um filho, frágil mas com uma grande força e potencial. A personalidade e carácter de Marinho e Pinto foi realçada assim como o seu peso no Parlamento Europeu, onde é considerado por todos. Terminou a sua intervenção realçando a alteração do paradigma político Europeu, o PDR surge em consonância com este movimento e representa uma alternativa às politicas vigentes de direita e esquerda que se apresentam como escolha única e obrigatória. Posteriormente Marinho e Pinto apresentou a sua candidatura à presidência do Partido. Às 11:15h teve lugar a apresentação da mesa da Assembleia Geral de Filiados e indigitação das comissões de acompanhamento, de verificação e comissão eleitoral. A mesa da Assembleia Geral ficou constituída por João Marrana, Fernando Condesso, Eurico Figueiredo, Fernando Pacheco, Vieira da Cunha, Susana Gonçalves, Rosa Acinho, Sandra Correia, Andreia Fernandes, Pedro Bourbon e Manuel Antão. A abertura das urnas teve lugar às 11:20h para a votação da declaração de princípios, dos estatutos do PDR e presidência do partido. Simultaneamente abriram as inscrições dos filiados para o período de intervenções livres assim como a entrega e validação de listas concorrentes à Comissão Nacional do PDR. Após o processo eleitoral e posterior encerramento das urnas pelas 12:15h iniciou-se a contagem e validação dos votos, paralelamente prosseguiram os trabalhos. Eurico Figueiredo admitiu estar incrédulo com a situação do país mostrando o descontentamento com a democracia. Pediu ao portugueses para serem agentes ativos, participantes e patriotas. Apelou à mudança para construir um Portugal melhor, onde todos tenham vontade de viver. Seguidamente Manuel Antão começou por deixar um recado à comunicação social, dizendo que o “PDR está aqui”, com voz própria e que tem de ser ouvida. O país foi empurrado para a degradação, para a pobreza, algo que envergonha Portugal é ter um ex-primeiro ministro preso preventivamente. A intervenção de Fernando Condesso deixou claro que não se pode continuar com as politicas erradas e com os políticos errados e não se pode prometer o que não se pode cumprir. O PDR vai travar lutas no interior e exterior do país para reabilitar a democracia em que muitos já não acreditam. Um dos desafios do PDR será chegar aos cerca de 50% da população que se diz desiludida, que não se revê nos partidos atuais e não pretende votar. Vieira da cunha usou da palavra e colocou uma tónica especial na requalificação e reabilitação do tecido empresarial português, que permita a criação de emprego e absorção de recursos humanos. Seguidamente João Marrana começou por indicar uma forma de chegar à mudança do país, “temos que começar por mudar as nossas atitudes, temos de intervir, mudar o nosso comportamento, estar atentos e alerta. Façamos do partido um espaço, onde cada um se reveja, liderado por alguém que todos nos identificamos”. Prosseguiu explicando o significado do símbolo do PDR, as três estrelas que representam a Liberdade, Solidariedade e Justiça. Estas são o bastião da atuação do partido, onde não houver liberdade, onde não existir solidariedade e injustiça é onde o partido estará presente e atuará. Fernando Pacheco encerrou os trabalhos da manhã de forma erudita com um discurso emotivo descrevendo de forma única o estado do país. “O emprego tornou-se um favor temporário e virtual. O pão de cada dia falta na mesa das famílias e das crianças portuguesas. A justiça, que nunca foi cega, arregala os olhos para proteger os seus donos. Os sistemas de saúde servem descaradamente o negócio da doença, os pobres estão cada vez mais pobres, a classe média foi empurrada compulsivamente para o fundo do túnel da pobreza envergonhada. Só as elites, donas da informação e do dinheiro engordam e prosperam como nunca”. Terminou com veemência dizendo “A rendição está fora de causa. Capitular nunca foi opção dos Portugueses. Viva o Partido Democrático Republicano. Viva a Republica. Viva Portugal.” A comissão organizadora
Maio 24, 2015

2º NOTA DE IMPRENSA Assembleia Geral de Filiados – Lisboa 2015

Pouco antes das 16:30h foi suspensa a votação para eleição do Conselho Nacional do PDR. Marinho e Pinto já na qualidade de presidente do partido denunciou irregularidades relativas à acreditação de um numeroso grupo de pessoas que se preparava para exercer o direito de voto. Estas pessoas que surgiram de forma inesperada após o intervalo para o almoço, com presumível ligação a um grupo religioso, foram aparentemente instrumentalizadas de forma a votarem numa determinada lista. Dado os contornos irregulares deste incidente, Marinho e Pinto assegurou voltar a abrir as urnas quando todos os pressupostos legais estiverem cumpridos e não existirem quaisquer dúvidas na acreditação das pessoas com direito de voto. A comissão organizadora
Maio 24, 2015

3º NOTA DE IMPRENSA Assembleia Geral de Filiados – Lisboa 2015

Pelas 17:30h Marinho e Pinto volta a dirigir-se a todos os presentes, informando que não se realizará nenhuma votação para o Conselho Nacional no dia de hoje, uma vez que não estão reunidas as condições necessárias para garantir um ato eleitoral isento. Sendo necessário reelaborar os cadernos eleitorais afirmou que se tinha deliberado a realização da eleição para este órgão, em nova convocatória de filiados. Oportunamente será divulgada a data para eleição do Conselho Nacional do PDR, num prazo máximo de 15 dias. A comissão organizadora
Novembro 16, 2015

4º NOTA DE IMPRENSA Atual momento político que o País atravessa