Caros companheiros e simpatizantes do PDR

O processo eleitoral para o Parlamento Europeu bem como as eleições que se lhe seguirão para a Assembleia Regional da Madeira e para a Assembleia da República ocorrem num período de tempo em que o PDR vive um processo de refundação e de reafirmação pública dos valores e objetivos que determinaram a sua criação em outubro de 2014.

Desde então, o partido viveu momentos conturbados não só a nível interno, mas também externamente. 

Por um lado, muitas pessoas que aderiram ao PDR fizeram-no apenas com propósitos egoístas, pois nunca foi, realmente, sua intenção servir a causa pública e o país, mas sim beneficiarem-se a eles próprios.

Como não conseguiram realizar os seus intentos, muitas dessas pessoas abandonaram o partido tentando causar-lhe os maiores danos possíveis. 

Por outro lado, a criação do PDR logo a seguir às eleições para o Parlamento Europeu de 2014 – nas quais a lista liderada pelo seu presidente obteve mais de 7% dos votos, apesar de ser apresentada por um partido minúsculo – lançou o pânico nos partidos tradicionais que há décadas dominam a vida política portuguesa e nas elites jornalísticas que zelosamente os têm servido.

O sistema político-mediático reagiu violentamente, mentindo sistematicamente sobre o PDR e caluniando os seus dirigentes, nomeadamente o seu presidente.

Porém, guiados pelos ideais da Liberdade, da Justiça e da Solidariedade e pela força dos princípios democráticos e republicanos, a tudo resistimos apoiados apenas na justeza dos nossos objetivos políticos e na coragem e determinação dos nossos filiados e dirigentes.

O nosso combate – o combate para refundar a Europa e reformar o sistema político em Portugal – é um combate de longo prazo que exige também a mobilização da parte mais sã da sociedade portuguesa.

Não se trata de um combate que se ganhe ou perca em uma ou duas batalhas, mas antes de uma luta de todos os dias até que o efetivo respeito pela cidadania e pelos cidadãos seja uma componente essencial da atividade política.

É, pois, com este espírito que eu, na qualidade de presidente do PDR, saúdo os filiados e simpatizantes do PDR, incentivando-os a redobrarem esforços conjuntos com vista à refundação da República e da própria União Europeia.

As campanhas eleitorais que se avizinham constituirão oportunidades extraordinárias para lançar as sementes dos ideais que nos animam, pois só eles proporcionarão as mudanças tão necessárias à Europa e ao nosso país.

O renascimento do PDR só fará sentido se não se perder de vista os valores éticos e políticos que estiveram na origem da sua fundação. 

Repito-os: Liberdade, Justiça e Solidariedade.

Lisboa, 26 de fevereiro de 2019

António Marinho e Pinto

(Presidente do PDR)