+351 21 727 20 59 pdrgeral@pdr.email

@ODIVELASPDR

Ana Cristina Barradas
Núcleos Concelhios
Email: cristinabarradas@pdr.pt
Nationality:Portuguesa
Occupation:Advogada

Your name: *
Your phone: *
Your e-mail: *
Contact Preference:
Title of Message: *
Text: *
Please, Enter the Code
Todos Juntos ao Largo do Carmo

Todos Juntos ao Largo do Carmo

Caras companheiras e caros companheiros,


Há mais de 40 anos,  no Largo do Carmo,  os meus camaradas militares 
derrubaram o ditador Marcelo Caetano e puseram termo a uma longa opressão.

Nesse dia histórico, o povo português iniciou o seu caminho para a 
liberdade.

Hoje, todos juntos, continuamos  a percorrer  o caminho da democracia,  
procurando construir  uma sociedade mais justa e um País melhor para todos.

É por isso que, amanhã, quinta-feira, *às 19 horas, conto com todos no 
Largo do Carmo.**
*
Vamos erguer a nossa voz para voltar a exigir um Portugal mais livre,  
mais justo e mais solidário.


Conto consigo,

Coronel Rodrigo Sousa e Castro
Marinho e Pinto acusa PàF de “eleitoralismo primário”

Marinho e Pinto acusa PàF de “eleitoralismo primário”

Em Guimarães, o ex-bastonário da Ordem dos Advogados acusou ainda o Governo de estar a fazer “terrorismo fiscal” e ainda se vangloriar disso apresentando os números da execução orçamental como positivos.

Os números da execução orçamental foram conhecidos sexta-feira, tendo o Governo admitido devolver no próximo ano 35,3% da sobretaxa de IRS paga em 2015, se o ritmo de crescimento das receitas de IRS e de IVA registado até agosto se mantiver até ao final do ano.

“Eleitoralismo do mais primário vindo de pessoas que não têm credibilidade nenhuma, em quem não se pode acreditar porque mentiram com o maior descaramento aos portugueses nas últimas eleições prometendo não fazer determinadas coisas e fazendo-as descaradamente depois de eleitos”, afirmou Marinho e Pinto quando questionado com a vontade do Governo de devolver a sobretaxa do IRS, depois de conhecidos os números da execução fiscal.

Por isso, salientou o líder do PDR, “quem acreditar no Governo, nos membros do Governo, nomeadamente no primeiro e no vice-primeiro-ministro, não está bom da cabeça, seguramente”.

Ainda sobre os números da execução orçamental, Marinho e Pinto considerou os resultados como “terrorismo fiscal” sobre os portugueses.

“Eles podem esganar os portugueses com impostos, obrigar empresas à falência porque nem sequer aceitam o pagamento às prestações mas não podem apresentar isso como resultado positivo da sua ação”, disse.

“Estão a arrecadar o máximo que podem para gastar logo a seguir e continuam a pedir dinheiro emprestado para pagar os juros da própria dívida”, completou.

Quanto aos números do défice, que “disparou para 7%”, o comentário do candidato a primeiro-ministro foi: “Meu Deus”.

“O que estas pessoas têm andado a fazer é a assaltar o que resta do património público. Isto é um Governo de loucos, de gente absolutamente tresloucada que não tem o sentido do que é o interesse nacional, de respeito pelos portugueses”, explanou.

Confrontado com os resultados das sondagens, Marinho e Pinto apontou baterias ao número dois da coligação Portugal à Frente.

“Essas empresas que estão a fazer as sondagens foram, com certeza, alunos do Paulo Portas na Universidade Moderna quando ele dirigia o centro de sondagens e que foi encerrada porque era um centro de criminalidade”, disse.

“São sondagens à Paulo Portas na Universidade Moderna, que são verdadeiras burlas aos portugueses”, finalizou, dando um exemplo.

“Há 3 dias uma pessoa foi interrogada telefonicamente por uma dessas empresas de sondagens e quando disse que ia votar PDR responderam-lhe que o PDR não tinham. Estão a fazer sondagens para entusiasmar as hostes descrentes e desacreditadas, se calhar muitos eles pagos, a erguer bandeiras ao Dr. Paulo Portas e Dr. Passos Coelho”, apontou.

O PDR faz hoje campanha pelo Minho, tendo sido bem recebido em Guimarães onde, no mercado, o líder distribuiu material de campanha, conversou com comerciantes e clientes que o aplaudiram, embora nem sempre soubessem bem o nome do candidato.

“Marinho e Pinto, e Pinto”, repetiu o líder do PDR, depois de ser chamado, várias vezes, de Marinho Pinho.

 

Fonte: Noticia ao Minuto

“O líder do partido é candidato a primeiro-ministro”

“O líder do partido é candidato a primeiro-ministro”

O cabeça de lista do Partido Democrático Republicano (PDR) pelo círculo eleitoral de Setúbal não quer fazer promessas que não possa cumprir e que para fazer uma distribuição justa da riqueza, é preciso criá-la em primeiro lugar”. Se for eleito vai estar muito atento à questão do investimento”porque é a única forma de criar emprego, mas também quer lutar pelas pessoas que estão a sofrer, vítimas da pobreza”, promovendo o distrito de Setúbal, em todo o mundo, como um local privilegiado para investir, para fazer turismo, para viver”. João Marrana pretende “dedicar tempo às pessoas, aos problemas que estas enfrentam e menos às ambições pessoais de quem ocupa cargos públicos”, potenciando a participação de todos para atrair investimento e combater os problemas da região.


O Secretário-Geral do Partido Democrático Republicano considera que o distrito de Setúbal tem potencialidade para captar investimento, nacional e estrangeiro, com o objetivo de criar emprego e bem-estar social – “Setúbal já provou que tem esta capacidade” – e acredita ter aqui um exemplo de concertação entre investidores e trabalhadores que possa ser uma referência para toda a Europa.


O Membro Fundador do PDR entende que as pessoas devem votar no partido, porque são “os únicos que verdadeiramente lutam contra a corrupção”, que são “os únicos que tem sempre presente as necessidades dos mais fracos e desprotegidos” e porque é “um partido de gente séria que quer o bem de Portugal”.

João Marrana refere que o PDR quer que metade dos deputados passe a ser eleita em círculos uninominais”, juntando o sistema partidário a independentes, para que os eleitos fiquem obrigados a prestar contas às pessoas que os elegem” de forma a acabar “com a tirania dos partidos políticos”conseguir devolver a política às pessoas”. O objetivo do PDR é a verdade e transparência na vida política e um sistema político onde as regiões estejam representadas”.

O candidato pelo círculo eleitoral de Setúbal considera que falta contato direto com as pessoas e com os seus problemas, falta razoabilidade nas decisões e falta conhecimento da realidade” e pretende estar disponível para ouvir as pessoas, tornando-se o porta-voz dos seus problemas na Assembleia da República”, denunciando “as situações de abuso de poder, de usurpação de competências” e “de decisões ‘encomendadas’ para beneficiar alguns, regra geral sempre os mesmos.


LogoPDRO cabeça de lista às próximas eleições legislativas divide os problemas do distrito entre a consequência direta do estado geral do país e em questões específicas da região, considerando que o emprego é a grande prioridade” e que Portugal tem dinheiro para combater a pobreza. Para libertar estes recursos e distribui-los por quem precisa, o PDR tem coragem para enfrentar os interesses e para rever as PPP´s, acabando com os lucros não justificados”.

 


O elemento do partido sublinha que as causas dos problemas sociais e da pobreza são bem conhecidas”, listando como principais “o desinvestimento, as falências, o desemprego, os lucros excessivos de uns e a asfixia de outros” e que o atual conjunto das respostas sociais quando chegam, vêm tarde e desenquadradas”. Na sua opinião, o distrito de Setúbal precisa de “gente que o defenda” e crie uma sociedade unida com os “ideias republicanos de liberdade, justiça e solidariedade”.

 

 

 

 

Marinho e Pinto em campanha no Algarve

Marinho e Pinto em campanha no Algarve

António Marinho e Pinto esteve no Algarve durante o fim-de-semana de 12 e 13 em campanha pelo PDR (Partido Democrático Republicano) apoiando a lista para a Assembleia da Republica pelo Algarve, por este partido, nas eleições de 2015.

Marinho e Pinto, acompanhado pela mandatária, Dina Silva, pela cabeça de lista, Isabel Vaz, e por outros elementos e apoiantes da lista, visitou diversos locais do barlavento e sotavento algarvios onde foi bem acolhido pela população.

O PDR é um partido recente, liderado por António Marinho e Pinto, que nasceu para acabar com a corrupção. Marinho e Pinto, dirigindo-se à população algarvia afirmou: “não sabemos se conseguimos acabar com a corrupção mas garantimos que vamos tentar”.

Durante este momento de campanha destacam-se o Encontro com Pescadores em Armação de Pera e a visita ao Refugio Aboim Ascensão onde Marinho e Pinto foi recebido com bastante agrado pelo seu amigo Luís Villas Boas.

O PDR pretende” mudar Portugal” e é esse o seu slogan. Entre outros objetivos, o PDR pretende alterar a lei eleitoral para tornar a política mais acessível ao cidadão. Ambiciona também restabelecer os valores da Republica e fazer cumprir os direitos humanos. O seu símbolo contém três estrelas que significam liberdade, justiça e solidariedade, valores que são o lema deste partido.

Marinho e Pinto em Leiria

Marinho e Pinto em Leiria

No mercado de Leiria, todos foram unanimes no desejo de que o PDR traga finalmente verdade e transparência á política em Portugal.